História do Anhembi

Campo de Marte e Rio Tietê, à esquerda

O Começo

O Anhembi começou a ser concebido em meados da década de 1960, quando, após anos realizando feiras de negócios no Pavilhão Internacional do Ibirapuera, no Parque Ibirapuera, Caio de Alcântara Machado (1926-2003) constatou que esse local já estava pequeno para o futuro promissor de feiras e eventos em São Paulo, e começou a idealizar um novo espaço.

Com a intenção de construir um grande polo de exposições em São Paulo, Caio procurou intensamente um local para sediar esse projeto. Investigando todos os finais de semana, por meio de um pequeno avião que utilizava para sobrevoar a capital, Caio finalmente notou que seu terreno ideal estava justamente ao lado do Campo de Marte, onde realizava seus inúmeros pousos e decolagens. Ao lado, às margens do Rio Tietê, havia um terreno de 510.000 m², de propriedade da prefeitura de São Paulo.

Em audiência privada com o então prefeito Prestes Maia, na primeira metade da década de 1960, Caio foi orientado por ele a desistir, porque o terreno já era alvo de Julio de Mesquita para construir uma nova Santa Casa de Misericórdia, assim como também era alvo de Mario Amato, que visava construir um "Maracanã" em São Paulo.

Mesmo desestimulado, Caio retornou em nova audiência com Prestes Maia e explanou sobre a importância de dar preferência à construção de um parque de eventos, afirmando que este se tornaria não somente um cartão de visitas para a cidade de São Paulo, mas também movimentaria a economia nacional. Portanto, pediu ao prefeito que considerasse ceder o terreno, absolutamente o melhor de São Paulo para um centro de exposições, convenções e grandes eventos. O prefeito Prestes Maia então se convenceu e apoiou a construção do Anhembi.

Caio de Alcântara Machado era um visionário vanguardista na área de eventos, criador da Fenit e Salão do Automóvel, e, pela sua expertise, sabia que o Anhembi ajudaria a transformar São Paulo no maior polo do turismo de negócios da América do Sul, o que de fato se concretizou.

O sucessor de Prestes Maia na prefeitura, Faria Lima (1909-1969), autorizou o empreendimento em 1967 e, através de lei municipal, cedeu a área às margens do Tietê, em comodato, por 90 anos à CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, que por sua vez delegou à construção à Alcântara Machado S/A Comércio e Empreendimentos. Nascia assim, o Centro Interamericano de Feiras, cuja pedra fundamental foi lançada em julho de 1968, num espaço de aproximadamente 400.336 m². A construção começou em fevereiro/março e foi até outubro de 1970.

O projeto inicial, orçado em US$ 100.000.000, conquistou inúmeras premiações. Somente no Guiness Book, o Anhembi figurou como o maior centro de exposições do Brasil e seu Pavilhão, como a maior cobertura do mundo com vão livre. A autoria é do renomado arquiteto Jorge Wilheim (1928-2014), responsável por projetos como o Vale do Anhangabaú e pelo desenvolvimento e planejamento urbano de mais de 20 cidades.